Alberto Miselli

Francisco Correia

Tema

Taxas de sucesso e de sobrevivência dos implantes curtos

Resumen

A reabilitação de pacientes com diferentes graus de reabsorção óssea dos maxilares apresenta vários desafios quando o plano de tratamento desejado envolve a colocação de implantes dentários. O diagnóstico atual requer diferentes conhecimento entre os quais os padrões de cicatrização dos maxilares, efeitos sistêmicos e o impacto na qualidade óssea que condiciona as taxas de sucesso dos implantes dentários.

O tratamento com implante na maxila e mandíbula posteriores representa um grande desafio devido à infinidade de fatores que podem complicar e limitar a disponibilidade óssea, o espaço entre os arcos ou a questão do seio maxilar.

Nas últimas décadas, várias abordagens diferentes foram descritas para solucionar esse tipo de problema, como procedimentos de elevação do seio maxilar e técnicas de regeneração óssea. Todas essas soluções comprovadas resultam em tratamento mais difícil, demorado e com aumento da morbidade dos pacientes. Nos últimos anos, o uso de implantes curtos representa uma nova opção para evitar esses procedimentos.

Objetivos:

  • Apresentar as vantagens, riscos e previsibilidade de implantes curtos na mandíbula e na maxila.

Curriculum

  • Mestrado integrado em Medicina Dentária pela Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade Fernando Pessoa.
  • Mestrado em Cirurgia Oral pela Faculdade de Medicina Dentária da Universidade do Porto.
  • Doutorado pela Faculdade de Medicina Dentária da Universidade do Porto.
  • Speaker ITI (International Team for Implantology)
  • Autor e co-autor de diversas comunicações orais, artigos e posters cientificos